Atendimento individual de Psicoterapia

Psicologia Corporal

Momento diferente ago Redux 2012 061

 

"Quando você resolve tratar, cuidar de uma pessoa, já tomou partido dela, ou seja, daquilo que você acha que seja sua saúde. Não existe neutralidade nem distanciamento, o que existe é discrição, silêncio, um silêncio que significa consentimento. Consentimento com a existência da pessoa, e isso é uma posição de amor. A pessoa adoece por carência de verdadeiras relações pessoais. Se você lhe der impessoalidade e neutralidade, dará exatamente o que lhe causou a doença. A tarefa da psicanálise (da terapia, da psicoterapia, da psicologia corporal) é a da construção do encontro, e não há encontro que seja impessoal; impessoal é o desencontro"

Hélio Pellegrino

 

 

Quando surge a Depressão e a Ansiedade na vida atual?

Normalmente, você vem funcionando na vida, com um sentido mínimo de alguma organização, que te permite ir levando a sua história à frente, de um jeito ou de outro.

Porém, pode acontecer, dessa organização falhar em algum ponto. Esse ponto pode ser o estopim para um descontrole, e isso assuta!

Esse ponto pode ser uma perda, por exemplo. A perda de um ente querido, de um relacionamento amoroso, de um trabalho, etc.

O sentimento de perda está muito associado à tristeza, depressão, angústia e ansiedade.

Esse ponto pode também ser o surgimento de um mal-estar, uma angústia, uma ansiedade, um distúrbio sentido no seu interior e que ninguém de fora consegue ver. E ninguém vai ver, pois está todo mundo muito ocupado e preocupado consigo próprio.

Inclusive, hoje em dia, não há tempo para cuidarmos uns dos outros. É tempo de um individualismo acirrado!

Pode ser um sentimento prolongado de tristeza ou uma possível depressão. Mas que você não está certo da causa. Não é claro para você, a origem desses sentimentos. Você pode até suspeitar de alguma coisa ou outra, mas o fato é que você não sabe

Você pode estar passando por um forte sentimento de estresse e de pressão e achando que não vai dar conta de tudo que tem para fazer. É uma sensação de que "está tudo sobre os meus ombros e eu não aguento mais! Assim eu vou desabar!" .
Esse sentimento que aponta para um "não dar conta" é muito comum nos nossos dias, devido à rapidez com que tudo ocorre e à quantidade de tarefas que nos impomos.

Esse ponto que estou falando pode representar um auge, um pico, que você chegou, e que agora necessita de uma transformação, de alguma mudança. Você precisa olhar para essa questão na sua vida.

Pode ser um ou mais ataques de pânico que você teve, onde começou a estranhar suas próprias sensações, seus batimentos cardíacos, sua respiração, enfim, algo estranho passou a acontecer dentro de você, e que, inclusive, durante o ataque, você sentiu que poderia até morrer naquele momento.

Um outro sentimento que pode estar vindo a você, é o de falta de sentido e um vazio interior. Com aquela pergunta: "O que vale tudo isso? Qual é o sentido de tudo isso e desse esforço constante? Para que?

Essa falta de sentido na vida é talvez uma das causas principais para os elevados índices de tristeza e depressão.

Sabemos, que no fundo, está o sentimento de perda gerando muita depressão e ansiedade.

Enfim, alguns desses sentimentos podem estar ocorrendo no seu interior, mais é um fato que, se você entrou nessa página, é porque alguma insatisfação está presente em você, que pode ser em relação ao seu trabalho, a sua vida amorosa, a sua família, aos seus amigos, a sua saúde, ou a você mesmo, a sua vida.

Se você acessou essa página, é porque você está à procura de ajuda. De ajuda terapêutica!

Você está necessitando dar voz a tudo isso que está sentindo!

Você precisa dar voz a isso!

Isso não pode ficar ruminando dentro de você, porque, desta forma, só vai piorar e perturbar ainda mais o seu sossego e a sua vida.

Quando você conta, fala sobre seus medos, suas angústias, seus "segredos" do mundo interior, só pelo fato de falar à alguém, já alivia. Funciona, inicialmente, como um desabafo.

Só que é um desabafo feito em direção a um profissional, e não a um amigo, ou parente.

Um profissional, um Psicólogo,  é uma pessoa altamente treinada para ouvir atentamente a sua fala, e redirecioná-la em prol de uma melhor clareza para os seus problemas e padrões destrutivos de comportamento.

Posteriormente, a sua fala vem acompanhada com um relacionar de fatos, sentimentos e sensações que vão aparecendo durante às sessões terapêuticas (ou nos intervalos entre elas), que apontam para um sentido: o sentido é a sua própria vida e como ela vem ocorrendo.

Você primeiro precisa saber o que está lhe acontecendo para depois mudar.

Porém, só falar, não vai adiantar.

Você necessita sair dessa situação. Você necessita mudar!

Utilizamos, como espinha dorsal, o método psicoterapêutico desenvolvido por Wilhelm Reich e seus sucessores.

Reich foi um médico e psicanalista que, durante a primeira metade do século passado, desenvolveu um método clínico de psicoterapia, baseado na psicanálise, que incluiu o corpo no trabalho terapêutico.

Através dessa metodologia, posso alternar, nas sessões de terapia,  intervenções verbais e corporais, essas últimas quando julgadas necessárias e propícias ao momento da terapia.

Os procedimentos corporais auxiliam como algo a mais, que facilita e agiliza o processo terapêutico. Eles ajudam a trazer situações inconscientes à tona, que levariam mais tempo para surgirem se dependêssemos apenas do trabalho analítico e da fala.

Não apenas isso, a possibilidade de utilizarmos o corpo no trabalho da terapia, pode ajudar a trazer mudanças mais rápidas no seu mal-estar. Quer experimentar?

Aí mesmo, de onde você está, aumente um pouco a quantidade de ar que você coloca para dentro do seu organismo, e para fora, respirando mais profundamente. Deixe essa respiração ser abdominal, ou seja, permita que ela aumente e dimunua o tamanho da sua barriga. Agora, acelere o rítimo da respiração, sem perder a sua profundidade. Mantenha os olhos bem abertos olhando para os ponteiros do seu relógio e marque um minuto de tempo para essa respiração proposta. Terminando o tempo, retorne a sua respiração normal, feche os olhos, e fique também um minuto com os olhos fechados, apenas sentindo os efeitos desse trabalho.

Pronto, se quiser, anote num papel todos os efeitos que você puder perceber. Veja se houve alguma alteração no seu estado de humor e nos seus pensamentos, desde antes do trabalho, quanto depois.

Se quiser, me escreva um email para O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.  , e compartilhe comigo da sua experiência.

As intervenções corporais podem ser de natureza respiratória, associadas a posturas e movimentos. Podem ser intervenções de massagens no intuito de soltar contenções psicofísicas que Reich denominou de "couraças" (tensões fisiológicas associadas a conteúdos psicológicos relacionados à história da pessoa). (Leia o artigo: O Toque amoroso no Corpo: O Resgate da Alma)

Dá uma olhada nesse vídeo que fala sobre os segmentos corporais que a terapia pode atuar:

videoterapiareichianaredux from Alexandre Paiva on Vimeo.

 

Muitas vezes, quando se libera determinadas tensões físicas, essas vêm acompanhadas de conteúdos emocionais, proporcionando uma descarga no organismo e um consequente sentimento de leveza, como se um grande peso tivesse sido liberado dos seus ombros.

Utilizamos também o trabalho de fotoestimulação, realizado por intermédio de uma lanterna, que estimula regiões cerebrais em desarmonia, equilibrando os hemisférios.

O trabalho de fotoestimulação possui excelentes efeitos no tratamento de insônia, confusão mental, transtorno de pânico, dor de cabeça, tonteira, dificuldade de concentração, etc. Ele ajuda a pessoa a se centrar mais, e a focar nos aspectos mais importantes do momento de sua vida. Ajuda também, associado ao trabalho de massagem, a dar contorno e estrutura a personalidade, melhorando o sentimento de vulnerabilidade, invasão e paranóia, tão presentes nos nossos dias. (Leia o Texto: O Pânico na Contemporaneidade)

O trabalho de fotoestimulação tem efeito ainda na evocação e elaboração de conteúdos psicológicos oriundos de traumas ou conflitos que exercem uma constante pressão no inconsciente para serem expressos e elucidados. Esses conteúdos são a causa de muito desconforto, angústia e ansiedade.

Trabalhamos o sentimento de falta de pertencimento, comum na contemporaneidade, através do contato olho no olho, cliente e terapeuta, na tentativa de se restabeler uma relação de confiança mútua, presença e acolhimento.

Nunca em outro tempo o ser humano experimentou na própria carne a máxima: "O mundo só é constante na mudança. Só há um fenômeno constante na vida, e esse fenômeno é a própria mudança".

No mundo atual, que muitos autores o batizaram de "hipermodernidade", tudo é da ordem da fluidez, rapidez e inconstância. Os relacionamentos são fugazes, os empregos inseguros, o futuro tremendamente incerto. A família se encontra em processo de desintegração, e o Estado e as normas não dão conta de aplacar o sentimento de desamparo que se espalha.

Estamos em plena época da hiperatividade, hiperconsumismo, hipermedicalização e da hiperdespersonalização: quem somos nesse turbilhão todo? O que realmente queremos para as nossas vidas e para as pessoas que nos cercam? O que tenho que fazer para me sentir um pouco mais seguro?

Transtornos como o TDAH (Déficit de Atenção e Hiperatividade), ou o de Pânico, são bem representativos desse momento que estamos vivendo. (Leia o Texto: "O TDAH e o Paradigma da Educação")

O encontro terapêutico nos tempos atuais, vem sobretudo com esse grande desafio: estabelecer um corte nesse cotidiano hiperagitado, e vivenciar essa hora de consulta semanal como um momento de atemporalidade, no intuito de resgatar integridade da pessoa e a capacidade de confiança na vida.

A primeira providência que você pode adotar é agendar uma entrevista.

Marque uma entrevista comigo aqui no Espaço Vigor, na Rua Visc. de Pirajá, 142 sala 806, no início de Ipanema, próximo ao metrô.

Essa entrevista não tem qualquer custo para você.

Ela é um meio para nos conhecermos pessoalmente (ou por Skype, caso você não seja do Rio de Janeiro) e travarmos o nosso primeiro contato.

Nesse contato você poderá falar um pouco do que está te incomodando, suas principais questões nesse momento da sua vida. 
Oportunidade também, onde poderei me apresentar e falar um pouco da metodologia de trabalho que adoto na clínica, bem como do contrato terapêutico: quantidade de sessões, horário, valor, etc.

Seja corajoso e corajosa, e dê o salto!

Marque a sua entrevista.

Estou esperando por você!

Alexandre site

Alexandre J.Paiva 

Psicólogo  - CRP 5/49933

Psicoterapeuta Corporal 

 

Rua Visc.Pirajá, 142 sala 806 Ipanema - Rio - RJ

Próximo ao metrô

Ligue para

 

99913-6097

 

e marque a sua Entrevista!

 

ou envie um email para mim

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.


Com o passado nada podemos fazer. Ele já passou.

Mas podemos lhe dá um novo sentido.

O futuro ainda não chegou.

Mas podemos projetar algo positivo e significativo.

O que nos resta é o presente.

Com o presente podemos fazer alguma coisa.

Ele é existencial.

O Passado e o Futuro vividos no Presente,

tornam-se Presente!

Nesse Presente reside a nossa grande liberdade.

A liberdade de resignificar cada momento e projetar uma nova vida a todo o instante.

Podemos colocar em ação algo que nos movimente.

Que nos faça mover no presente em direção à realização e à satisfação.

O ser humano é o sentido que ele dá, e é livre para resignificar a própria vida a cada momento!

Espaço de Psicologia Corporal - Rua Visconde de Pirajá, 142 sala 806 - Ipanema - Rio de Janeiro - RJ - CEP 22410-000
Telefone (21) 99913.6097 - Email: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
Acesse o nosso Blog: www.psicologiacorporal.com.br